Traduza o Nomade

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

terça-feira, 17 de abril de 2012

Montando a panela de brassagem e fervura

Produzindo cerveja artesanal

      Como já tinha comentado no primeiro artigo onde falo sobre equipamentos, uma ótima maneira de economizar dinheiro é montando o seu próprio equipamento. (clique aqui para ler o artigo)

      Neste artigo vou mostrar como montei a minha panela de brassagem / fervura, relacionando as tarefas que devem ser executadas, as ferramentas e os materiais necessários, tudo de forma bastante didática (espero eu...) e com bastante fotos. Tudo para mostrar que qualquer um com um mínimo de ferramentas, habilidade e paciência, pode sim fazer seu próprio equipamento para produção de cerveja artesanal.

Recomendo fortemente que leiam este
artigo até o final e postem as dúvidas antes
de comprar os materiais.

      Lista de material:
  • Panela de alumínio com tampa (recomendo uma de 45L)
  • Válvula esfera 3/8”
  • Tubo de alumínio 3/8”para refrigeração quantidade suficiente para dar uma volta na panela
Estas são as conexões utilizadas
  • Fita teflon (veda rosca)
  • 02 Arruelas de alumínio
  • Conexões de latão:
      * 01 Tee de latão macho central tipo compressão
      * 02 Anilha de latão 3/8" tipo compressão
      * 02 Porca de latão 3/8" tipo compressão
      * 01 Niple macho x fêmea 3/8" rosca cônica
      * 01 Redutora macho x fêmea rosca paralela
      * 01 Bico P/ Mangueira 3/8" rosca cônica

      Ferramentas:
 • Lima meia cana
 • Paquímetro
 • Furadeira elétrica (é desejável ter controle de velocidade)
 • Broca aço rápido 1,5 mm
 • Broca aço rápido 8 mm
 • Chave inglesa
 • Chave de boca para as conexões (não vou indicar a medida, pois pode variar de acordo com os fabricantes das conexões)
 • Martelo
 • Punção ou prego
 • Ponta montada ou “Pirulito”
 • Arco de serra
 • Serra aço rápido

Mãos à obra...

      O primeiro passo é definir a posição em que a válvula esfera deve ficar. Com relação a altura, quanto mais próximo a parte inferior, menor será a perda de mosto no fundo da panela, tanto durante a filtragem quanto após a fervura. Esta altura influencia também o quanto de "trub" levamos para a próxima etapa, se ficar muito baixo, o mosto vai arrastar o "trub" que está decantado no fundo da panela.

Desenho 001
      Eu decidi por deixar o mais baixo possível, mas temos um fator que limita isso: a curvatura que liga a parede da panela a sua base. É preciso deixar um espaço para as conexões e arruelas se acomodarem e efetivar a vedação desejada. No meu caso, as arruelas tem um diâmetro externo de 25 mm e para não pegar na curva, o centro do furo deve estar a 14 mm acima da curva, conforme desenho 001.

Desenho 002
      Outra coisa a se levar em conta ao definir a posição da válvula esfera, é a posição das alças de transporte da panela. Em minha opinião, deve ser a 90º das alças, como no desenho 002, pois se for necessário movimentar a panela, uma pessoa pega em cada alça e a válvula não vai ficar batendo nas canelas.







Observação importantíssima:
Evite ao máximo movimentar a panela com líquido quente, é um risco desnecessário!

Foto 001
      Veja na foto 001 como será montado todo o conjunto de conexões de latão. O lápis está na posição em que a parede da panela vai ficar. Esta sequência foi pensada também de modo que toda a parte interna, a conexão tee e o tubo perfurado possam ser retirados após a filtragem (foto 002) permitindo que a panela possa ser usada para ferver o mosto. Assim podemos ter apenas uma panela para as duas tarefas, pelo menos inicialmente. Com o tempo compre a segunda panela. Facilita bastante o processo.


Foto 002
      Uma vez definida a posição, bata com um martelo e a punção, neste ponto, fazendo uma pequena depressão. Isto serve para a broca não escorregar na hora de furar. Faça um furo com a broca de 1,5 mm.

      Ok, eu sei que o alumínio é um metal bastante macio e dava pra furar direto com a broca mais grossa, mas exatamente por ser macio, já vi casos em que a broca fica vibrando e o furo acaba ficando "quadrado".

Foto 003

      Troque a broca de 1,5 mm pela de 8 mm e aumente o furo. Use a velocidade máxima e controle a furadeira para "comer" o metal sem ficar vibrando ou pulando. O furo ainda vai estar pequeno para a conexão niple macho x fêmea. Agora é a hora de usar a lima meia cana (foto 003) e a ponta montada (foto 004). Vá ajustando o furo e testando o niple (foto 005) até que a rosca passe pelo furo sem ficar prendendo. Tome cuidado para não deixar folgado demais, pois isto poderia prejudicar a vedação.


Foto 005
Foto 004
       Agora insira o niple pela parte interna da panela, coloque a arruela de alumínio pela parte externa e rosqueie a conexão redutora com as mãos até onde conseguir (foto 006 onde não aparece a arruela, rsrsrs).

Foto 006
       Então com cuidado, enquanto segura o niple por dentro com a chave adequada para não girar, aperte a conexão redutora pela parte externa 1/4 de volta e solte novamente, isso faz com que as roscas, que são cônicas, se ajustem de forma gradativa. Pode colocar uma gota de azeite para facilitar o aperto (isso mesmo, azeite de cozinha, não vá usar WD-40 ou outro lubrificante químico pois vai deixar gosto por muito tempo na panela), repita esta operação de apertar e soltar até as peças começarem a encostar na arruela, então dê um aperto final, o alumínio da panela e da arruela vai ceder um pouco e vedar. Não aperte demais, pois as conexões são de latão e um aperto excessivo pode quebrar a rosca e inutilizar as duas conexões..

      Até aqui, a vedação desejada é proporcionada pelas próprias peças utilizadas, como o alumínio é mais macio que o latão, quando apertamos as conexões, o alumínio cede e se ajusta fazendo a vedação.

      A próxima etapa seria rosquear a válvula esfera na rosca que está para fora da panela, mas esta junção não veda por si só, então precisamos utilizar a fita teflon veda roscas, e tem uma "manha" que não sei se todos conhecem: a fita deve ser enrolada na mesma direção que vamos girar a peça a ser rosqueada, ou seja, no sentido horário. Passe umas 6 ou 8 voltas da fita, apenas na rosca, sem deixar ela tampar o furo (Foto 007 e Foto 008 )

Foto 007
Jeito certo, deixando o furo livre
Foto 008
Jeito errado, tampando o furo











Foto 009
      Agora sim, segurando a conexão redutora com uma chave, rosqueamos a válvula esfera com a mão até onde for possível e finalizamos o aperto com a chave inglesa (Foto 009). Perceba que a alavanca de acionamento da válvula deve ficar posicionada para cima, de modo a facilitar a sua operação (Foto 010).

Foto 010
Para finalizar a parte externa, é só rosquear a conexão bico para mangueira na extremidade da válvula esfera com a mão até onde for possível e finalizar o aperto com duas chaves. Note que sempre seguramos a peça que já está fixada e giramos a peça que é adicionada. Isto é feito assim para não deixar que a peça que já está no lugar se movimente, podendo gerar vazamentos.

      Com a parte externa concluída, vamos montar a parte interna. O filtro (também conhecido por manifold) é feito com o tubo de alumínio, ele deve ser curvado para se acomodar próximo às paredes da panela como na foto 011, o comprimento do tubo deve ser ajustado de modo que a distância entre o tubo e as paredes da panela seja igual em toda a volta. Vamos usar a lâmina de serra para cortar o excesso de tubo, lembrando de eliminar as rebarbas internas e externas após serrar a ponta do tubo.

      As pontas do tubo devem ficar alinhadas com as entradas da conexão tee, como podemos ver na foto 012. Agora que já moldamos o tubo, vamos montar as suas conexões.

Foto 012
Foto 013










      Em uma extremidade do tubo curvado, colocamos uma das porcas de latão com a rosca voltada para fora, em seguida encaixamos uma anilha de compressão, introduzimos o tubo na conexão tee até o fundo (Foto 013), encaixamos a anilha em seu lugar e rosqueamos a porca com a mão até o final. Certifique-se que o tubo está encaixado até final, então com as chaves adequadas aperte a porca até o tubo não girar mais. Isto fará com que a anilha trave no tubo, fixando no lugar. Solte novamente a porca e confirme visualmente, a anilha deverá estar "amassada" como na foto 014. Repita a operação na outra extremidade do tubo.

Foto 014


      Agora vamos encher o tubo de alumínio de furos, que vai virar uma peneira, por esses furos que vamos retirar o mosto, deixando para trás o bagaço de malte.

      Pode-se fazer uma série de cortes com a lâmina de serra, inclusive é muito mais fácil e prático, mas penso que fica muita rebarba na parte interna do tubo, além de enfraquecer a sua estrutura, por isso eu optei por fazer furos com broca, que em minha opinião, fica com acabamento melhor.

      Para esta operação, o ideal seria utilizar uma furadeira horizontal de bancada ( Foto  015), mas eu não tenho, então fixei a furadeira numa morsa controlando sua velocidade usando uma abraçadeira plástica (Foto 016).

Foto 015
Foto 016














Foto 017
      Antes de fazer os furos, apóie o tubo numa superfície resistente e do mesmo modo que fizemos na panela, marque com o punção ou prego os lugares onde serão feitos os furos (Foto 017). Faça as marcações com cerca de 1 cm de distância entre elas. Agora coloque a broca de 1,5 mm no mandril da furadeira, ligue a furadeira, segurando o tubo com firmeza, num ângulo reto, encoste a pequena depressão que foi feita com o punção na ponta da broca fazendo uma leve pressão e observe que a broca já começa a retirar material. Quando passar a primeira parede do tubo, continue furando até atravessar para o outro lado do tubo, assim com um movimento faça dois furos. No meu caso foram 101 movimentos, totalizando 202 furos.

Agora, troque a broca pela ponta montada grande, mantendo a furadeira fixa e retire as rebarbas que ficaram onde a broca sai (Foto 018).

Foto 018
      Agora é só montar tudo, colocar água e testar vazamentos, se não vazar, esvazie novamente a panela, retire qualquer adesivo que tenha na panela (aqueles adesivos da marca ou etiqueta de preço) e lave tudo muito bem com esponja macia e detergente neutro: panela, tampa, a válvula aberta, o tubo, etc...

      Por último, coloque a panela no fogão e encha de água, acenda o fogo e ferva a água por cerca de uma hora. Esta etapa serve para fazer o que chamamos de passivação do alumínio, que cria uma camada de óxido de alumínio.

      Pronto!!!!!!! O dinheiro que foi economizado com a confecção da panela é suficiente para comprar o material para sua primeira leva como eu mesmo fiz, elaborei uma Blonde Ale bem leve (estou preparando o artigo e em breve coloco o link aqui), então, agora fico esperando os convites para degustar essas cervejas maravilhosas, rsrsrs.

Se quiser ver todas as fotos do álbum clique aqui!

34 comentários:

roomate disse...

Bem legal esse tutorial, parabéns!
Uso fundo falso (uma baita gambiarra) mas estou pensando em migrar pra algo melhor, essa parece ser uma boa opção.

William A. Oliveira disse...

Fala Mr. Klaus.... show de bola hein...
Esperando o convite pra apreciar umas dessas kkkk
Abs!!

Anônimo disse...

Onde vc encontra esta redutora machoxfemea rosca paralela? E vai uma ou duas arruelas de aluminio? De resto o tutorial está de parabéns!

Nomade disse...

Comprei todas as conexões na mesma loja:
Alpha Conexões
Av. Rangel Pestana, 58
Vl. Mathias - Santos - São Paulo
(13)3224-9998 - alpha@alphaconexoes.com.br

Arruale usei apenas uma, mas é de acordo com o comprimento da conexão niple macho x fêmea e a espessura da arruela. Precisa adequar conforme o caso.

Anônimo disse...

tenho uma panela de brassagem com fundo falso e queria uma panela de fervura com uma bazooka, pra deixar o trub para tras na trasfega para o fermentador (vou montar aquele esquema de chopeira para o resfriamento). oq tu acha desse processo? onde posso comprar aquela "telinha" das bazookas e como montar?
grato.
felipe

Life in a Nutshell disse...

Alguma indicação de loja online? Estou em São Paulo mas estou com dificuldades pra encontrar prnicipalmente o Tee para usar com anilha.
Obrigado.

Nomade disse...

Felipe,
O pessoal usa bastante esse sistema de bazooka e o que eu percebo é que alguns cervejeiros enfrentam dificuldades quando fazem uma cerveja de trigo, parece que entope um pouco.

Eu ainda não fiz nenhuma com trigo, então não sei como o meu manifold se comporta na mesma situação.

A bazooka pode ser feita desmontando uma mangueira que tenha malha de inox externamente. Retira a malha de inox, fecha uma das extremidades com um fio de inox retirado de um outro pedaço da mesma malha, a outra extremidade prende em um tubo com uma braçadeira de inox.

Segue um link com imagens das mangueiras com malha de inox

E aqui algumas imagens de Bazooka Screen

Nomade disse...

Life in a Nutshell,
Em São Paulo não conheco muita coisa, mas o pessoal fala muito bem da Rua Florêncio de Abreu no centro, parece que lá tem bastante coisa.

Florêncio de Abreu

Anônimo disse...

Onde encontrar esse tubo de aliminio em SP? Parabens pelo post!!!

Bruno

Nomade disse...

Bruno, obrigado pelo comentário. o tubo comprei na Refrigeração Marechal.

Alameda Glete, 766/778 - Campos Elíseos - SP
Fone: 11 3331-7866 - Fax: 11 3222-0186

Fica próximo à estação Santa Cecília da linha vermelha do Metrô

http://www.refrigeracaomarechal.com.br/departamento/13/tubo+de+aluminio


Anônimo disse...

Os furos do tubo de aluminio vc deixa pra baixo, pra cima ou lateral do fundo da panela?

Nomade disse...

Anônimo.

Fiz os furos na vertical, fazendo um furo em cima e atravessando, fazendo outro em baixo. Foram 101 "movimentos" perfazendo 202 furos.

orselli disse...

Muito bom seu tutorial, amigo. Estou iniciando nesta arte e já vi inúmeros tutoriais, mas não consegui até agora decidir-me pelo equipamento padrão. Achei este seu sistema muito bom, até pela economia de $ e espaço, que não tenho quase nenhum. Pelo local onde você adquiriu as conexões concluo que você é de Santos, pois já estive nesta loja pesquisando material e preço. Parabéns pelo Blog e quem sabe, quando minha primeira leva ficar pronta você poderá saboreá-la e dar algumas outras dicas. Saudações.

Nomade disse...

Orseli, obrigado pela visita.

Realmente sou de Santos, você é da baixada também?

Este artigo foi justamente por conta de falta de espaço e grana, estava nesta situação fui pesquisando e lendo tudo, absolutamente tudo que tive acesso. E isso me permitiu desenvolver este equipamento.

Dei uma parada na produção pois não tenho geladeira para controlar a temperatura, então na quarta leva tive problema com temperatura de fermentação, os três primeiros dias foram de calor intenso, isso deixou um gosto ruim de fermento e os álcoois superiores que dão dor de cabeça...

orselli disse...

Sou, sim, de Santos. Como disse, o espaço é o principal problema, mas já vi gente na net fazendo cerveja em um 2 x 2. Quanto a refrigeração, tenho uma geladeira que ligo em dias de festa e um freezer que está na UTI, com duas prateleiras já fora de combate. Com um termostato, posso perfeitamente adaptar as duas para serem usadas como câmaras frias. Esta semana vou comprar as tralhas. Vou começar pelas panelas e seguir seu esquema, vou montar também o chiller, só não sei se uso o cobre ou alumínio, acho que não faz muita diferença, a não ser o preço. As peças pequenas, tipo termômetro, densímetro, etc., compro em uma destas lojas virtuais, WE, Brejas, etc. Acho que com jeitinho, monto tudo durante a semana, faço testes e no sábado inicio minha primeira produção, acho que uma Ale vai bem pra começar. Que acha?
Um abraço.

Nomade disse...

Bom... A questão de ser alumínio ou cobre... Minha panela já é de alumínio, com o cobre sou cismado pra cacete... Coisa minha... Mas dê uma pesquisada com relação ao zinabre, que é tóxico, na parte externa do tubo seria bastante fácil de eliminar, mas e a parte interna? Não tem como saber o estado que está, muito menos limpar.

http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2010/08/proibicao-de-tachos-de-cobre-pode-mudar-doces-tradicionais-de-minas.html

Neste sentido, o alumínio é mais tranquilo... Ok, sei que tem estudos que associam o alumínio ao mal de Alzheimer, mas o processo de passivação do alumínio coloca isto dentro de condições aceitáveis (ao menos foi esta minha conclusão com tudo que já li a respeito).

Os apetrechos peguei 90% com o André e o Alan na Beer Lovers, pessoal nota mil, te ajudam com tudo...

http://www.beerlovers.com.br/

Eu recomendo fortemente começar por uma ale bem simples, um malte, um lúpulo de amargor e um de aroma.A primeira brassagem serve para você conhecer teu equipamento, vai sair tudo fora do previsto, é assim mesmo. Minha primeira breja era pra ser com 3% ABV e ficou com mais de 9% ABV. A taxa de evaporação foi muito maior que tudo que haviam dito para mim. era para dar 20 litros pós fervura acabei com apenas 12 litros... Mas só me toquei disso no terceiro dia de fermentação, olhei para o fermentador e me perguntei: esta porcaria não deveria estar cheia?!?!?! Aí já era tarde, kkkkkk...

orselli disse...

Boa tarde, nomade. Gostaria de saber se você conhece alguma empresa em Santos que vende moinho para cereais.

Nomade disse...

Não Orselli. Moinho de cereais em Santos eu não sei não...

JULIO CESAR FINKBEINER disse...

Show o tutorial comprei uma bazuca na WE afff... qdo chegou aqui o.O que desanimo +- 10 CM para uma panela de 55 cm de diâmetro ..... ou seja haja paciência/saco, pra esperar chegar no fim..... tenho alguns canos de inox aqui vou fazer um, se funcionar mando brasa para todas as panelas....

Nomade disse...

É isso aí Julio Cesar Finkbeiner, parte da brincadeira é construir e melhorar nosso equipamento...

Depois conta como ficou.

LDBNET disse...

Tudo bem? Como vc conseguiu a arruela para vedar dw 3/8. Nao acho aqui em Campinas nem a pau. Me ajude por favor. Abs e parabéns pelo tutorial.

Nomade disse...

LDBNET,

Demorei para responder por que estava sem computador, primeira atividade depois de reinstalar o sistema no computador foi te responder....

Comprei a arruela na própria casa de conexões, mas agora que você perguntou... acho que tive que dar uma escareada no furo pois ela só entrava uns 3 fios de rosca no niple...

orselli disse...

Nomade, bom dia. Temporariamente parado com a produção. Já fiz 6 levas e todas com sucesso total. Montei as panelas seguindo suas instruções, com algumas adaptações. Entretanto, sofri um acidente e estou com a perna quebrada, sem poder cuidar da produção. Você conhece outras pessoas aqui de Santos que também fazem cerveja? Abraços.

Renato disse...

Tenho a mesma dúvida do material do chiller... na verdade, com o preço de 15 metros de cobre, consigo comprar 15 + 15 de alumínio, e daria pra fazer um pré-chiller imerso em água gelada + gelo e outro pro mosto... será que vale a pena no lugar de 15 metros de cobre?

Nomade disse...

Orseli, lamento por sua perna, mas logo estará de volta às atividades, tenho certeza...

Já troquei vários emails com o pessoal da CONSCERVA - Confraria Santista da Cerveja, mas pessoalmente ainda não conheço ninguém.

o Blog do pessoal: http://conscerva.blogspot.com.br/

FaceBook: https://www.facebook.com/Conscerva

Nomade disse...

Renato, obrigado pela visita.

Eu optaria pelo alumínio, 15m de chiller com mais 15m no pré-chiller, com certeza você terá muito mais eficiencia que o chiler de 15 m de cobre. Não pelo material em si, mas pela maior área de troca de temperatura.

Em minha opinião, o alumínio é muito mais interessante. Mais barato, não corro o risco do zinabre, etc...

Renato disse...

Acabei nem usando pré-chiller, usei uns 14m de alumínio 1/2" para o chiller pois tirei 1m para o filtro, e realmente resfriou muito rápido.

Quanto você está obtendo de eficiência usando esse filtro?

Samuka disse...

Nômade, parabéns pelo tutorial amigo. Vou começar a minha producao em alguns dias e te falo como foi.
Abs Samuel

Nomade disse...

Renato, a eficiência está em torno de 78%.

Nomade disse...

Samuka,

Obrigado pela visita, fico muito contente por estar "contaminando" outros com esta mania viciante. Não deixe de me atualizar com as novidades.

Anônimo disse...

Nômade, vou seguir o seu tutorial para montagem, porém vou usar uma panela de inox (para uso em fogão de indução). Há algum procedimento que seja diferente para a furação do inox, quando comparado ao alumínio? Será que é necessário algum cuidado especial? Um abraço e parabéns pelo blog!
Marcelo

orselli disse...

Nomade, boa noite. Eu, de volta ao trabalho e lazer. Já estou na 11ª brassagem, todas com sucesso absoluto. Aos poucos vou melhorando o sistema, agora montando um mixer para a brassagem. Estou a procura de um fundo falso para a panela 36, pois comprei um metro de malha inox 0,10, mas está difícil encontrar um disco nesta medida. Talvez faça com uma panela 34 com fundo realmente falso, como uma panela de cozinhar macarrão. Já estou com um bom estoque de cervas. Quando você quiser, pode vir à minha casa provar umas e trocar idéias. Um abraço.

Nomade disse...

Obrigado pela visita Marcelo.

O inox é bem mais difícil de trabalhar que o alumínio, o ideal é você comprar brocas apropriadas para o serviço em uma loja de ferramentas (estas do R$1,99 não aguentam nada).

Inicie o trabalho marcando bem forte com um punção o ponto onde será feiro o furo (isso serve para a primeira boca não "escorregar"), então com uma broca de uns 5 ou 6 mm e baixa velocidade na furadeira, faça o primeiro furo tomando cuidado para não quebrar ou super-aquecer a broca. Se possível use uma segunda broca de diâmetro intermediário entre a primeira broca e a broca que fará o furo final, sempre trabalhando com baixa velocidade e sem aplicar muita força na furadeira, apenas o suficiente para a broca ir cortando o inox.

Utilize WD40 ou outro óleo deste tipo para lubrificar a área de contato entre a broca e a panela, isso ajuda a manter o corte da broca e também acaba fazendo o trabalho de resfriar o metal. Pode ficar tranquilo, não vai deixar cheiro ou gosto se a panela for bem lavada antes de iniciar a montagem.

E nunca esqueça: utilize equipamento de segurança, no mínimo um óculos e segurança (lembre que óculos de grau comum não protege absolutamente nada) e uma luva de raspas para proteger as mãos da limalha quente que será retirada ou até mesmo de pedaços de metal que podem ser arremessados caso uma broca que quebre.

Nomade disse...

Olá Orselli.

Você está mais experiente que eu, rsrsrs.... Tenho apenas 7 brassagens em meu currículo.

Eu ando meio parado com as brassagens por hora, mas logo devo retomar. Se eu entendi, você quer brassar com o malte dentro de uma peneira e depois apenas levantar retirando o bagaço, estou correto?

Como você fará para fazer a lavagem dos grãos e a clarificação? Não são etapas indispensáveis mas aumentam o rendimento da brassagem e a translucidez de nossas obras de arte. Se for isso, como no exemplo que você deu da panela de macarrão, acho mais fácil furar uma panela.

Em breve aceitarei o convite para tomarmos nossas cervejas.

Grande abraço e obrigado pela visita.

Postar um comentário